Testemunhos

Nos últimos anos a APORVELA contou com dezenas de “Jovens e o Mar” a bordo de navios portugueses e estrangeiros, em viagens mais ou menos longas mas sempre recheadas de aventura.

Em 2015 podes ser TU!

Em 2009 a APORVELA e um tripulante da caravela Vera Cruz e “Jovem e o Mar” foram surpreendidos com a conquista do importante prémio Young Sail Training Volunteer Award. O nosso associado André Nogueira de Melo foi o jovem marinheiro que participou na  Tall Ships Races Baltic 2009 a bordo da escuna Flying Dutchman e se revelou um tripulante de grande capacidade e espírito de equipa.

Foi a primeira vez que este troféu foi alcançado por um português.

Em 2014 foi a vez da Marta Carvalho Martins receber o mesmo prémio – prova de que os nossos jovens navegadores e voluntários são já reconhecidos lá fora… cá dentro a Aporvela já sabia que tinha um grupo de jovens fantástico e entusiasta.

Em 2007, a APORVELA participou na viagem “Youth in Action at Sea Baltic 2007”, dentro do âmbito do programa Juventude em Acção.

Francisco Sousa Otto, Mateus Espregueira, Guilherme Lacerda e João Monteiro foram os portugueses escolhidos para ter um desafio extraordinária e uma experiência única em que Jovens oriundos de dez países da União Europeia reuniram-se para velejar e aprender um pouco sobre a história e cultura dos seus países a bordo do navio EUROPA.

O inicio desta fantástica viagem foi no dia 20 de Julho em Kotka, Finlândia, com passagem por Estocolmo na Suécia, e destino em Szczecin, Polónia.

“Foi uma experiência inesquecível, onde pude conhecer pessoas de outros países e de todas as idades, fazer amigos para toda a vida”, revelaram os jovens.

E era exactamente esse o objectivo destes quatro jovens: estabelecer e desenvolver relações de colaboração e de intercâmbio internacional enquanto participavam na prática de vela e tudo que está inerente à mesma.

“Depois de quatro dias em alto mar, sujeitos a tempestades, frio e enjoos, tivemos uma sensação maravilhosa quando, no último dia dessa pernada, ao chegarmos à Suécia, nos deparámos com uma recepção calorosa de muitas pessoas“, confessou Francisco.

Mateus acrescentou que “Mesmo cansados, festejámos o facto de termos concluído essa prova pessoal depois de tanto tempo de preparação.”

No caso de Guilherme, “o que mais o impressionou foi o facto de não haver noite durante dias seguidos e pensar que há pessoas que vivem permanentemente assim.”

“É complexo a gestão das expectativas a bordo, nunca se sabe como é que vão ser os nossos quartos e como é que vamos terminá-los. Estamos constantemente à prova, tendo que estar sempre preparados para ajudar numa manobra.” Afirma o Francisco

“E quando cheguei ao terceiro dia e pensei, o que estou aqui a fazer, o melhor conforto foi pensar que todos nós estávamos a sentir a mesma coisa e que juntos venceríamos todos os nossos medos. Afinal estávamos todos no mesmo Barco.” Desabafa o Mateus sorridente.

“Aprendemos que somos muito mais fortes do que pensamos.” Conclui espirituosamente o Guilherme.

Para o ano os testemunhos podem ser teus…